domingo, 31 de maio de 2009

Domingo, almoço e sobremesa

Cena 1
Almoço em família.
Menu: Salada, lasanha e de sobremesa: pavê.
Convidados: Mãe, irmã, tios e primos.
A irmã comenta que o pavê não vai dar para todo mundo. Então decidimos ir comprar sorvete.

Cena 2
De carro, as irmãs vão ao supermercado. Ao adentrar no estacionamento eis que a motorista se depara com uma descida íngreme.
Irmã (passageira): - Pisa no freio, você está acelerando.
Irmã (motorista): - não estou acelerando, estou freiando. Não tá parando.
E.....pum, bate no carro da frente.
A motorista só conseguiu colocar as mãos no rosto e lamentar: - Não acredito que bati o carro.
Tremendo e temendo ter estragado além do seu carro, o carro da frente também, ela estaciona.
A outra irmã só tenta acalmar, dizer que não foi nada, que foi só um "totó".
É, após constatar o outro veículo, não foi nada.
Agora tremendo, quase chorando, a motorista troca telefone com o motorista do carro da frente. Depois percebe que saiu de casa sem celular. A irmã trouxe, ufa. Liga para o marido e pede para ele vir buscá-la. Ela não tem condições de dirigir.

Cena 3
O marido chega no estacionamento do supermercado. A esposa está ansiosa por um abraço dele. Eles se encontram. Ela não recebe o abraço. Ele está calmo, porém suado, cansado (de ter corrido ao encontro dela) e preocupado.
Ele analisa o carro, ele não entende como tudo aconteceu. E ela não entende se ele está puto da vida, aparentemente não.

Cena 4
Chegam em casa e a esposa sobe para o quarto. Ela está tensa, com vontade de chorar. A mãe e a irmã vão atrás e a consolam.
- Chama o Marido.
- Marido, eu pago. Não fica bravo comigo.
- Mas eu não estou bravo e não adianta você ficar chateada, lembra quando eu bati também?! Isso acontece.
- Mas eu estava esperando você chegar no mercado e me dar um abraço.
- E eu estava esperando chegar e te dar uma voadora.
Risos.

********
A personagem de cima sou eu. É horrível a sensação de bater o carro. Pior por saber que você poderia ter evitado. Bati porque ao invés de pisar no freio, pisei antes na embreagem e depois no freio. E quando você pisa primeiro na embreagem numa descida o carro desce mais rápido e não adianta pisar no freio, nem puxar o freio de mão. E eu entendi acontecido depois de calma. Liguei para meu marido ir me buscar, por que eu pensei que tivesse dado algum problema no freio....
Meu marido me disse que essa sensação ainda vai me acompanhar durante 3 dias seguidos. Eu acho que vai me acompanhar até arrumar o carro. Não fez nenhum estraaaaago. Mas tá lá batido.
Depois os tios chegaram com os primos, seguimos com o almoço que estava delicioso. Comemos pavê e claro, os sorvetes também.
É tão bom morar em casa espaçosa, receber visita sem restringir o número de convidados.
E melhor ainda é ter o Roberto como meu marido.

Relacionamentos

É estranho terminar um relacionamento. Alguns namoram por meses, outros namoram anos a fio, 3, 4, 5 anos e de repente tudo se acaba. Planos são desfeitos, sonhos ficam perdidos. E fica a sensação de "será que foi em vão?". Além de ter esse sentimento, somos obrigados a encarar o que as pessoas pensam: "eles não deram certo". Como assim "não deram certo"? Se você teve um relacionamento duradouro com alguém é claro que deu certo. Deu certo enquanto estiveram juntos, caso contrário não duraria mais de um mês. E de tudo o que viveram ficam as experiências, aprendizados e lembranças (essas vão se apagando ao longo do tempo).
Às vezes estamos tão acomodados que não nos damos conta. Lutamos contra sentimentos de ciúmes, posse, tomamos uma dose de coragem com bastante gelo e...terminamos.
Nada é em vão. Nada fica perdido. Planos e sonhos são refeitos. A vida continua. E quando você decidir caminhar em frente, ao olhar para trás, vai ter certeza que não faria nada diferente.
E não importa a quantidade de namorados que você teve ou terá até ficar com aquele que será "para sempre". O que importa é você estar preparado para encontrá-lo.

sexta-feira, 29 de maio de 2009

Coragem que a vida pode mais

E é assim que estamos vivendo, sempre lutando.
Lutamos pora realizar um sonho, para conquistar algo, para comprar o que desejamos, por um emprego, para terminar um curso, para levantar da cama em dia de frio, para criar os filhos...lutamos contra o medo, contra o cansaço. Lutamos por um amor e vivemos lutando...sempre a favor e em busca de uma vida melhor....

Uma das melodias mais lindas...

...e mais suave e mais delicada dos últimos tempos. Sem falar que o vídeo é encantador.

Her morning Elegance - Oren Lavie

video
Ela derrama um sonho em um copo/uma colher de açucar adoça-o/Ela luta por sua vida/enquanto coloca seu casaco/E ela luta por sua vida no trem/E ela olha para a chuva enquanto ela cai/E ela luta por sua vida enquanto vai a uma loja/onde as pessoas são prazerosamente estranhas/ E contando o troco/ Ela vai/Ninguém sabe...

quinta-feira, 28 de maio de 2009

Mãe, minha vida

Ela é um anjo que tem poder de curar qualquer dor. Tem as palavras certas para me dizer no momento em que me encontro mais incerta. Ela chora comigo, sofre a minha dor. Mas também vibra com minhas conquistas e sempre está lá...torcendo por mim e pronta para o abraço a qualquer momento. Perto dela todas as dores se apagam e revela-se tudo o que sou, a força que tenho, a coragem, o amor. E qualquer problema, dor, sofrimento se torna um pontinho minúsculo, insignificante. Eu sei que posso contar com ela e nada nesse mundo pode me atingir. Ela é a única pessoa no mundo que por mim sente amor incondicional. E é recíproco.
Minha mãe é meu alicerce.
Quem não tem mais a mãe ao seu lado, daria tudo para vê-la novamente e dela receber um afago, uma palavra de carinho.
Cuide bem da sua mãe. Cuide bem do seu amor.

quarta-feira, 27 de maio de 2009

Achados e perdidos

Você perdeu algo e comenta com alguém. O alguém pergunta: - perdeu aonde?
É uma pergunta aparentemente idiota? Sim. Mas é inevitável.
É horrível perder algo e ficar passando na cabeça todos os lugares que esteve para tentar adivinhar aonde ficou o perdido. Principalmente, quando você chega a conclusão que não poderia ter perdido em nenhum daqueles lugares.
Às vezes perdemos algo que temos certeza absoluta que era impossível perder, que só pode ter sumido ou alguém pegou. Se sumiu, você perdeu. Alguém não pode pegar algo que você perdeu dentro de casa, por exemplo. Eu já perdi roupas dentro de casa. Recentemente mesmo perdi uma peça. E no entanto, recentemente, também andei fazendo uma limpa no guarda-roupa e colocando tudo o que não queria mais numa sacola. É provável que essa peça tenha ido junto sem eu perceber.
Há 7 meses casei. E adotei o nome do meu marido (só por que achava o meu pequeno*). Férias, Lua de Mel, casa bagunçada de presentes, enfim...chegou o dia em que quis mudar meus documentos. Comecei a pegar os documentos necessários para a mudança. O principal eu não achava: a certidão de casamento. Depois que você casa, nem a certidão de nascimento vale mais. O que vale é a certidão de casamento! Tá certo que é nela que tem o nome novo, mas não ter mais valor nenhum a certidão de nascimento...é um tanto estranho. É como se existisse uma divisão de vidas: antes e depois de casar. E pensando bem, é isso mesmo que acontece.
Procuramos, reviramos TUDO. E nada da certidão. Um ficava insinuando que a culpa era do outro. Mas eu tinha absoluta certeza que tinha ficado com ele.
Só tinha uma solução: tirar a 2ª via da certidão. Imagina, recém casados tirando a 2ª via de tal documento. Sem contar que eu não achava nem um pouco auspicioso ter perdido a certidão tão cedo. Fui lá morrendo de vergonha. A atendente ia ver lá a data de casamento e com certeza ia debochar de mim. Pois nunca vou esquecer a cena:
A atendente olhou a data, olhou para mim e soltou: - Não se preocupe, isso acontece sempre.
Como assim "não se preocupe"? Ela percebeu a minha vergonha. Como assim "isso acontece sempre"? Será que de cada 100 recém casados, 90 voltam lá para tirar a 2ª via?!
Peguei a 2ª via e saí de lá feliz da vida por que era exatamente igual a original.
Até hoje não fiz os documentos com o meu nome novo.
E ontem...... Ontem estávamos na minha sogra, meu marido estava procurando o contrato da pós dele, quando vejo ele achando o quê???? A CERTIDÃO DE CASAMENTO! Não consegui evitar e soltei aquela frase que todos nós adoramos dizer quando estamos certos: "eu não disse que estava com você". ;-)

*Meu nome não era pequeno e ficou ainda maior porque não tirei nome nenhum.

segunda-feira, 25 de maio de 2009

A nossa justiça é um crime

Fiquei chocada com o caso da garota Gabriela, de 8 anos. Aliás, vários fatos assim me chocam constantemente. E o que me deixa mais revoltada é a nossa Lei. O "jovem" (como é citado nos telejornais) tem 17 anos, foi preso e está na Fundação Casa ou FEBEM (Fundação Estadual do Bem-Estar do Menos) ou qualquer coisa parecida. Como tem 17 anos, ele será solto em 3 anos.

Questão: A nossa lei não é uma grende merda? Como dá para fazer justiça com uma lei merda dessa? Um "filho da puta" (é assim que ele devia ser chamado) de 17 anos, tira a vida de uma menina de 8 anos e vai ficar preso por 3 anos só por que é menor de idade??!! Aonde está a porra da justiça aí? Ele simplesmente é mais velho que ela 9 anos. NOVE ANOS!!!!

Isso me revolta. Também me revolta a fome, o frio, as pessoas jogarem lixo na rua da janela de seus carros, do ônibus, moleques que roubam celular das pessoas na rua (porra, vão trabalhar!!!!). Mas tirar a vida de outra pessoa (de uma criança, então!), isso me tira do sério.

Eu sou a favor da pena de morte e até da tortura. Inclusive, pela minha cabeça passam coisas cabeludas, obscuras, horríveis que poderiam ser feitas com pessoas que realizam essas monstruosidades. Só que do jeito que é nossa Lei, sei que pessoas inocentes poderiam pagar pelo que não fez. Tudo tem dois lados. Infelizmente ou não.

O pensamento que fica latejando na minha cabeça é: aonde fica a justiça se esse moleque sai daqui três anos? Acho que nosso sistema judiciário entende a manifestação popular (ir em massa ao velório, à missa de 7º dia, colocar panos brancos nas janelas, soltar bexigas, etc) como justiça. Alguém precisa avisá-los que essa é a maneira de nós pequenos mortais mostrar nossa indignação, fazer a nossa justiça. Afinal, não podemos fazer justiça com as próprias mãos.

domingo, 24 de maio de 2009

direção

Dizem que a primeira vez a gente nunca esquece, como tenho memória seletiva, preciso deixar registrado que ontem (sábado) peguei estrada pela primeira vez. Para que conste, peguei a Castelo Branco.
Me sinto tão poderoooooosa dirigindo!!!!!!!!

sábado, 23 de maio de 2009

Frustração x Expectativas

Lembra quando você era criança quando ganhava um doce e depois alguém tomava o doce de você? É assim que me senti ontem. Só que um sentimento um pouco pior. Porque quando criança não conseguimos compreender muito bem as coisas. Queremos o doce por puro querer. Quando adulto, certas coisas não compreendemos também, mas outras coisas são compreendidas, além de interpretadas. Queremos o doce porque sabemos que fazemos por merecer. Queremos o doce porque sabemos o nosso valor. Mas sabe o sentimento pior nisso tudo?! É dar valor a certas coisas que não deveriam ter valor nenhum para nós, principalmente porque sabemos que nós não temos o devido valor. Então o sentimento de frustração nos toma por dentro. E pensamentos piores dominam nossos pensamentos. Aí você faz um balanço. Lembra de tudo o que já fez, de tudo o que já passou e de tudo que já pensou fazer e faria. E o pensamento mais frustrante te faz cair na realidade: é a certeza de saber que você é só mais um número (e que isso é independente do tamanho do lugar) e que um dia, mais cedo ou mais tarde, você pode ser eliminado.

Eu já devia saber que não devo criar expectativa nenhuma, que não existe futuro. Mas isso foi só mais um dos sinais com alerta piscando e vermelho:

"sa-i-a da i-nér-ci-a, Ga-bri-e-la".

sexta-feira, 22 de maio de 2009

Para matar a saudade - Balão Mágico

video

Super fantástico amigo
Que bom estar contigo no nosso balão
Vamos voar novamente
Cantar alegremente mais uma canção
Todas crianças já sabem
Que todas elas cabem no nosso balão
Até quem tem mais idade
Mais tem felicidade no seu coração
Sou feliz, por isso estou aqui
E também quero viajar nesse balão
Super fantástico, no balão mágico
O mundo fica bem mais divertido

quinta-feira, 21 de maio de 2009

Geração 90, 2000 e 2010

As festas de aniversário das crianças já não são como antigamente.

Hoje uma amiga chegou no trabalho mostrando uma lista com mais de vinte músicas que a filha escolheu para tocar em sua festa de 11 anos. Todas as músicas eram in-ter-na-ci-o-na-is! Internacionais! Músicas de cantores que eu devo desconhecer. Sabe quando você conhece a música, mas não sabe quem canta?! E você conhece a música de ouvir, não de nome. Pois é. O mundo está de ponta cabeça.

Na minha época (e falando assim pareço que sou uma tia, mas sou super jovem!)...esquece. Vou começar de novo.

Quando era criança eu curtia Xuxa, Balão Mágico, Angélica e até Mara Maravilha. Xuxa e Balão Mágico não podiam faltar de jeito nenhum. Balão Mágico!!! Gente, isso era sensacional! E pra mim ainda é.

Lembro de um aniversário que eu me vesti com uma roupa igual da Xuxa. Ok, isso já é demais.

Antes era vinil. Hoje as crianças baixam música direto da internet.

Fiquei pensando no presente para a filha da minha amiga. Nessa idade, as crianças já possuem celular, Ipod, pen drive, tudo o que é de mais moderno.

A priminha do meu marido, também com 11 anos, conhece tudo o que é música internacional. Ela já chega me perguntando se eu vi a última música de cicrano, o clip, se conheço a namorada, etc, etc, etc. Muita informação pra mim. Eu mal lembro o nome dos cantores brasileiros, quem dirá dos internacionais. Aliás, é muito difícil eu gostar de músicas internacionais. Por um motivo muito simples: eu não gosto do que não entendo. E quando gosto de um som, vou logo procurando entender a letra. E, geralmente, gosto da letra também.

Minha irmã caçula também é dos anos 90. Esperta pra caraio, inteligente e assim como todos os que nasceram nessa época, completamente desenvolta e moderna em tudo o que diz respeito.

Aos 11 anos eu ainda brincava de boneca, de fazer comidinhas, de Barbie e sequer tinha pensado em beijar na boca. Eu realmente era uma criança.

Uma outra amiga do trabalho, teve um filho recentemente, agora em 2008. Fico imaginando esse menino daqui a 10 anos.....

E eu provavelmente terei um filho depois de 2010. E acho tudo isso muito moderno pra mim. Será que eu vou conseguir acompanhar tanta evolução?!

Já parte de um princípio: atualmente, pessoas com 11 anos não são mais consideradas crianças e sim adolescentes. E eu ainda intitulo minha irmã e meu primo (ambos caçula, mas com 18 anos) de crianças. Sempre digo: "vamos pegar as crianças"!

quarta-feira, 20 de maio de 2009

Descoberta


- Vovó Biga, outro dia o meu pai me contou algo que eu nunca havia pensado antes.

- Ah, é? O quê?

- Meu nome: GABI é o contrário do seu: BIGA.

- Noooooossa!


terça-feira, 19 de maio de 2009

Eu tive um sonho

Vou te contar.
Não me atirava do 8º andar.

Eu levava três tiros.
Quando tenho sonhos que me impressionam, procuro um significado. Acredito que sonhos sempre querem dizer alguma coisa. Eu mesma já sonhei coisas que aconteceram. Então acredito em meus sonhos e procuro desvendá-los.
Levar tiros significa melhoras de vida. Opa! Ótimo.
E eu era casada. Mas não com meu marido da vida real.
Sabe aqueles sonhos que você sabe que é sonho? Pô, primeiros os tiros. Eu lá estirada e vem o tal marido. É sonho ou pesadelo??? Quero acordar!!! Quero acordar e estar na cama ao lado do meu marido da vida real. Se não for sonho, por favor, alguém chama o marido dos meus sonhos que se chama Roberto? Por favor, não quero ir pra hospital nenhum sem segurar a mão dele. Mãe? Cadê o Roberto? Chama ele, por favor! Como não conhece nenhum Roberto? Não, não tem nada doendo. Vai doer se eu acordar e isso não for um sonho. Vai doer se não tiver o Roberto ao meu lado.
E de repente sinto um abraço gostoso, protetor, acolhedor.
- Draguinha, vou levantar. Já está na hora.
Era um sonho.
O significado?
Ah, não poderia ser diferente.

.É preciso fechar os olhos, pra não morrer e não se machucar. Não temos que ter medo.

domingo, 17 de maio de 2009

Domingo, futebol e promessas

Impressionante como domingo tem cara de domingo, que tem cara de Faustão, Futebol, Fantástico.
Hoje fui ver meu marido jogar bola. Algo que nunca tinha feito antes. Mentira...eu fui algumas poucas vezes quando namorávamos. Poucas vezes mesmo, posso contar nos dedos. Pra falar a verdade acho um saco esse programa. Mas eu havia prometido e promessa é promessa. Com ele eu já tenho fama de não cumprir apostas (o fato é que nunca perdi dele, hehehe).
Um campo enorme lá na zona norte. Um bando de homens peludos, barrigudos, falando alto (e eles tem coragem de afirmar que nós falamos alto quando estamos em grupo), correndo atrás de uma bola e detalhe: sempre gritando e discutindo dentro do campo.
Fora do campo é como se nada tivesse acontecido: abraços suados, tapinha nas costas, cerveja, risadas, churrasco e pagode.
Não tem mulher nesse antro. Hoje tinha. Eu.
Sentei lá numa cadeira de frente para o campo e fiquei admirando meu marido. Que marido. Ele faz tudo por mim. O que me custava vir aqui em pleno domingo vê-lo jogar?!
Após uma hora e 20 minutos acabou o jogo. Oba! Vamos embora. E eu voltei dirigindo. Como é bom dirigir.
Promessa cumprida.

sábado, 16 de maio de 2009

(ainda sobre generosidade)

"Eu me doo porque me perdoo. Quando era jovem e tola, eu queria tudo para mim, achava que o mundo era meu e que eu podia usufruir dele sem pedir nem agradecer. Agora, que sou muito mais velha e um pouco mais sábia, entendi que nada me pertence de verdade, nem a vida, que passa em um instante, nem meus filhos, que apenas vieram através de mim, e muito menos as coisas, que são apenas matéria, e continuarão sendo, mesmo quando eu deixar de ser. Depois de uma vida dedicada às tolices, decidi perdoar-me por ser tola e dar-me a chance de ser generosa, assim eu terei a única coisa que pode me pertencer: minha própria paz".

sexta-feira, 15 de maio de 2009

Generosidade e outras coisinhas para um mundo melhor

Use seu tempo livre para fazer coisas boas. Ocupe a mente com pensamentos bons. Faça terapia. Busque realizar trabalhos voluntários. Escute uma boa música. Arrume seu guarda roupa. Limpe a casa para ter prosperidade. Faça uma oração. Assista seu programa de TV preferido. Leia um bom livro. Veja fotos antigas. Relembre. Cozinhe. Faça um curso de pintura. Vá ao cinema. Leve o cachorro para passear. Admire a paisagem. Use seu tempo livre para doar-se. Tente, por exemplo, ser generoso.

Li na revista Vida Simples uma matéria sobre generosidade. O autor, Eugenio Mussak, usa duas expressões (que eu achei muito DIGNAS) para diferenciar as pessoas: "mundo do mais" e "mundo do menos". Segundo ele, o mundo do mais é o mundo que tem uma propriedade que dignifica o ser humano, e essa é, exatamente, a marca da generosidade, do compartilhamento, da disponibilidade. O mundo do menos é mesquinho, isolacionista, egoísta. Assim como o autor, conheço pessoas dos dois mundos.

O autor ainda diz que uma amiga costuma separar as pessoas em dois tipos: "pessoas-pão" e "pessoas-boca". Pessoas-pão têm prazer em alimentar, em doar-se, são generosas e cuidadosas com os outros e com o planeta, e habitam, com certeza o mundo do mais. E as pessoas-boca querem apenas serem alimentadas, existem só para receber e pronto, não querem saber o que podem fazer pelo mundo, mas o que o mundo pode fazer por elas.

Eu habito o mundo do mais, sem dúvida nenhuma. E como finaliza o autor em sua matéria, "ainda bem que a humanidade conta com uma rede de proteção, que se chama generosidade".

E você que tipo de mundo habita?

quinta-feira, 14 de maio de 2009

Todos os tipos ruins

No mundo você encontra pessoas de todos os tipos:

  • Pessoas baixas (de ínfimo);
  • sem caráter;
  • sem dignidade;
  • sem honra;
  • sem vergonha;
  • sem escrúpulo;
  • Hipócritas;
  • Desprezíveis;
  • Ocas;
  • Etc, etc, etc...

Existem também as pessoas pobres de espírito (que é uma mistura disso tudo acima e mais um pouco. São pessoas limitadas, de má índole, com maus pensamentos, que desejam mal ao próximo, mesquinhas, que usam o seu tempo livre para infernizar a vida alheia).
Pessoas desse tipo tem a minha piedade.
Que Deus tenha piedade também.

quarta-feira, 13 de maio de 2009

Quelqu'un M'a Dit

video

Disseram-me que as nossas vidas não valem grande coisa,
Elas passam em instantes como murcham as rosas.
Disseram-me que o tempo que se vai é um bastardo
Que das nossas tristezas ele faz a sua coberta.

No entanto alguém me disse.
Que você ainda me ama.
Foi alguém que me disse
Que você ainda me ama
Seria isto possível, então?

é fato...

...entre a razão e a loucura existe um fio tênue.

terça-feira, 12 de maio de 2009

Para daqui a pouco (e uma dose para o resto da vida) preciso:
- Tolerância
- Paciência
- Cinismo
- Sangue frio
- E a boa educação que mamãe me deu.
Pela manhã.
Se te visse nessa hora arrancava-te a cabeça. Com os dentes.

Problema

Eu pensei que problema era apenas uma questão matemática para ser resolvido nas aulas de matemática na época da escola. Eu nunca gostei de matemática. E nunca me disseram que passamos a vida inteira resolvendo problemas.

segunda-feira, 11 de maio de 2009

Reflexão para o período

Do que eu preciso me libertar?

Dia das mães

Pra mim todos os dias são da minha mãe. Não concordo com esse negócio de uma data específica para lembrar o quanto ela é importante e provar meu amor. Eu a amo sempre. Falo com ela todos os dias e não consigo imaginar minha vida sem ela. Mas ontem fui lá fazer as honras do dia.

sábado, 9 de maio de 2009

Êêêêê....

Internet em casa....Iupiiiiiii...!

Mas agora preciso voltar a dar ordem na bagunça.

sexta-feira, 8 de maio de 2009

Consumo compulsivo

Se eu for comparada há 4 anos atrás com os dias atuais, posso ser considerada uma pessoa moderada financeiramente. Há 4 anos eu gastava desfreadamente! Consumir era o meu esporte predileto. Sempre gostei de bolsas, roupas e sapatos (que mulher não gosta, não é mesmo?!). Atualmente, fico me segurando para não gastar. Quando gasto fico com peso na consciência. Todos os gastos são planejados cuidadosamente. Odeioooo gastar no cartão de crédito. Prefiro pagar tudo à vista. Se for um valor alto e não tiver desconto, beleza, passo no cartão e parcelo.

Mas não sei o que acontece...existem momentos que nós mulheres sentimos a necessidade de gastar. Então decidimos não passear em shopping, não parar em vitrines das lojas de rua - pelas quais passamos quando vamos almoçar. Quando estou num desses momentos de querer gastar loucamente, tomo atitudes mais radicais: deixo a bolsa no trabalho e só coloco o cartão VR no bolso. E foi isso que fiz hoje.

Fomos almoçar eu e a Dani. Na volta não é que paramos numa loja de roupas.....era só para a Dani comprar um presente de dia das mães para a vovó dela. Entramos na loja e a Dani começa ver blusas para o inverno. E pega uma, pega outra. Pegou e foi experimentar. Eu parei de ver, pois me tornei um alvo potencial para cair em tentação.

Tinha uma vendedora muito chata. Eu odeioooo, tenho pavor de vendedoras chatas. Isso é ótimo por que raras sãos as vezes que eu compro quando sou atendida por uma chata. A menina ficava "compra no cartão, compra no cartão". Que coisa chata!!! Alguém falou que não tinha dinheiro?! Não! "Essa blusa tá linda, maravilhosa". Que menina chata!!! Alguém pediu a sua opinião?! Não! Eu disse que o único cartão que eu tinha era VR. Aceita? Perguntei.

Mas preciso contar....eu não consegui resistir quando a Dani mexeu num cabide com várias liquidações. Não existe mulher que não resista a uma liquidação. Então acabei comprando duas blusas: uma de liquidação e outra não. Agora que comprei as duas blusas, meu saldo está negativo em:
- 1 sapato
- 1 bolsa
Esses eram os dois itens que eu estava peeeeensaaaaando em comprar.

Sim, e a minha compra foi feita no cartão da Dani. A Dani é a chefa, é quem tem o controle da folha de pagamento. Resultado: não posso nem dar o calote....

quinta-feira, 7 de maio de 2009

Eu me rendo

Eu sou uma vendida. Pronto. Confesso.
Cara, eu tinha (quer dizer, ainda tenho) aversão por essas modalidades “tecnológicas-de telecomunicações-e-informática” avançadas e modernas e chatas e complicadas de mexer. Pois bem. Hoje me rendi a mais uma dessas modernidades imposta pela internet. Estou no Twitter.

Imaginem que até pronunciar isso errado eu já pronunciei: TWISTTER. Mas isso não é chocolate? Não, o chocolate é TWIX. E daaaali gozação aqui na redação. Ai eu passo por cada uma....

Antes de me atrever a entrar no Twitter fui pesquisar a serventia disso. As respostas eram sempre as mesmas: ah, serve para você mandar uma mensagem; serve para você passar informações pequenas; serve para mandar mensagens rápidas de onde você estiver. Meus questionamentos eram sempre: mensagens para quem? Que tipo de informações? É tipo orkut? Para que serve de fato essa porra?

Só entrando no bagulho mesmo para saber. Entrei. Assim como no início do orkut, o site do Twitter é todo em inglês. Você faz lá o seu cadastro (mega simples, ufa!). Pronto. Passa a fazer parte de mais uma rede. Lá você encontra amigos, convida-os para fazer parte da sua página e de minuto em minuto passa a receber as atualizações desses amigos. Essas atualizações são mensagens de 140 caracteres, coisa rápida, pequenas informações. E você faz as suas também, quando quiser, quando tiver algo para dizer. E são informações de todo tipo: notícias, comentários (bobos ou não), links de sites, etc. É isso, o Twitter nada mais é que um serviço de microblogging (essa foi a melhor definição que recebi. E só podia ter vindo da minha querida amiga Thais Naldoni, editora do Portal Imprensa).

Eu quero ser. Eu serei uma pessoa tecnologicamente (e/ou virtualmente) moderna.

Susan Boyle

Há mais de três semanas o vídeo da Susan Boyle roda pela internet. Já teve milhões de acesso no youtube. Assisti ao vídeo logo no segundo dia após ter caído na boca do povo. Recebi o link pelo diretor editorial aqui da revista, Rodrigo Manzano. Ele enviou com um texto lindo que escreveu falando sobre sonhos. Assim como ele e milhares de pessoas, me emocionei ao assistir.

Fui tomada por dois sentimentos: emoção e espanto. Fiquei emocionada não pelo fato dela parecer fora dos padrões desejáveis pela sociedade, logo parecer incapaz de ter uma bela voz. Fiquei emocionada pela coragem daquela mulher de 47 anos. Poucos são os que têm coragem de correr atrás dos seus sonhos, de dar a cara para bater. Meu espanto se deu ao ver às expressões nos rostos da platéia ao adentrar no salão aquela senhora. Dei-me conta do quanto somos pequenos, medíocres. Vivemos fazendo avaliações e formando opiniões de tudo e todos. Julgamos as aparências quando não devíamos esquecer que as aparências enganam, que nem tudo que parece ser é e que preconceito está démodé demais.

quarta-feira, 6 de maio de 2009

O que passa na cabeça das pessoas?

Eu estive pensando o que faz as pessoas mentirem. Tem gente que mente com a cara mais lavada do mundo, outros gaguejam ao contar uma mentira, alguns mentem e caem em contradição. Algumas pessoas inventam cada história para escapar de alguma situação e se enforcam com a própria mentira. Todo mundo já está cansado de ouvir o ditado "mentira tem perna curta". Eu acredito demais nessa frase, acho que é por isso que eu não minto. É claro que não sou nenhuma santa e assim como todo mundo já contei alguma mentirinha, mas nada que prejudicasse alguém ou a mim mesma. Mentirinhas inocentes como uma dor de barriga para não ir à escola ou para não ir ao dentista, são razoáveis. Não consigo mentir nem esconder nada. Sou daquelas que se contar uma mentira começo a rir na mesma hora, se não conto algo para alguém pode ter certeza que esse "algo" um dia será revelado, escapa assim sem querer numa conversa qualquer numa mesa de bar. Portanto, não me arrisco a mentir. E também não combina nada comigo, não faz meu estilo. Mentir é feio demais. Tem gente que mente e coloca a mãe ou o pai na mentira. Jamais contaria uma mentira dizendo que minha mãe está doente. Fico tentando desvendar o que passa na cabeça das pessoas para mentirem. Falo aqui de mentira cabeluda, sem pé nem cabeça, dessas até sem motivo, que a história fica sem sentido nenhum e que até o mentiroso percebe que as pessoas não acreditam nele. E quando chega nesse estágio, a pessoa mentirosa passa a sentir vergonha. Ela passa a fugir dos outros, não tem coragem de ficar cara a cara, evita de todas as maneiras não te encontrar, não atende seus telefonemas. A vergonha de saber que a mentira não colou tira a coragem de encarar as pessoas. E vamos combinar que mentira grande não é coisa para amador. É para mestres como a Ivone do Caminho das Índias. Com certeza isso deve ser algum tipo de distúrbio. Infelizes são os mentirosos.

Ser mentiroso te torna uma pessoa sem caráter. O que vale uma pessoa sem caráter?

terça-feira, 5 de maio de 2009

Sobre o evento...

Nem contei. Além da mudança, eu tinha um evento da revista bem na segunda-feira (ontem). Bom, já dá para ter uma ideia de como foi meu final de semana. Muita preocupação. Mas o evento foi um sucesso, mais de 300 pessoas encheram a platéia do teatro da FIESP, todos satisfeito e felizes. Eu fiquei muito contente com o resultado. É gratificante após tanta preocupação tudo correr bem. O cansaço fica pequeno.
Quem tiver interesse em obter notícias sobre o evento, basta acessar o site: www.portalimprensa.com.br/forumliberdadedeimprensa . Lá também pode ser visto o vídeo da blogueira cubana Yoani Sanchez.

Sem internet, sem TV e sem tampa de vaso sanitário

Estou sem internet desde sexta-feira (01/05). A previsão de transferência e instalação é sábado próximo. Consequentemente estou sem televisão também. Ficar sem esses dois instrumentos de entretenimento nos faz entender melhor por que no passado as pessoas faziam tantos filhos. Não tem outra coisa melhor para fazer. O pior é quando o cansaço toma conta do seu corpo...aí você tenta uma leitura, mas o sono...gente, eu sinto muito sono quando estou cansada. Resta dormir.

Estou exausta. O final de semana foi só correria, carregar caixa pra lá e pra cá, arrumar o que dá para arrumar. Meu corpo está super dolorido. Nunca levei uma surra, mas dá para ter uma idéia de como o corpo fica. Estou tendo que me habituar a casa nova, que eu gostei sim, caso contrário não teria mudado...mas eu adorava a minha casa de boneca, pequena, um andar apenas, todos os cômodos próximos. Estava acostumada. Agora a casa é grande, sobrado. Ah, eu tenho medo de ficar lá sozinha!!!! (estou até evitando isso, mas uma hora será inevitável) Mas vou me adaptar. Agora é uma casa de família.

Fora a bagunça, eu já cai da escada da casa nova. O piso escorrega pra caramba. Estou eu lá descendo saltitante e pum...escorreguei e desci batendo a bunda nos últimos 5 degraus. Isso foi no domingo pela manhã e desde então parece que a minha bunda fica cada vez mais dolorida.

A casa tem dois banheiros. Um em cada andar. Acredita que o vaso sanitário do banheiro de baixo é quadrado!!! Sim, é quadrado! As pessoas com quem comento isso dizem que é chique. Até hoje eu não tinha opinião formada a respeito. Vindo para o trabalho, passei em duas lojas de construção para comprar uma tela de proteção e ver se tinha a tal tampa quadrada para o vaso sanitário quadrado. Entrei na primeira loja completamente sonolenta e recebi um susto quando o vendedor falou o preço da tampa:
- R$66,00.
- SESSENTA E SEIS REAIS??? Como assim? A tampa de privada custa R$66,00??? Tem certeza, moço?
- Tenho sim.
- Ok. Vou levar só a tela de proteção.

Quando adentrei na segunda loja, já estava bem acordada.
- Moço vocês tem tampa para pivada quadrada?
- Tampa para vaso sanitário quadrado? (ele falou tipo me corrigindo)
- Sim. (porra, que diferença faz se eu falei privada ou sanitário?!)
- Temos.
- Qual o preço?
- Venha cá. Temos essa que é almofadada e custa R$44,00. E essa aqui...deixa eu consultar o preço....essa aqui custa R$104,60.
- O quê??? Por quê essa é mais cara que a almofadada?
- Por que essa é mais resistente.
- Ah, obrigada.

Caraioooooo, como é caroooooo uma tampa de "vaso sanitário quadrado"!!!!!!
Vamos ter que continuar usando o banheiro de cima por enquanto.
Mas agora tenho certeza. É chique ter banheiro com privada quadrada.

sábado, 2 de maio de 2009

Oração da mudança

Sr. obrigada pela casa nova.
Obrigada por ter nos deixado quebrar o espelho do guarda-roupa. Tenho certeza que isso nos trará 7 anos de muita sorte e hamornia. Foi o melhor sinal auspicioso que recebi na vida.
Não me importei nem um pouco com o risco novo na nova geladeira, muito menos com o risco na máquina de lavar (meu eletrodomestico preferido e mais amado).
Obrigada por uma casa nova cheia, mais muito cheia mesmo de bagunça!!!! Isso eu já sei que é sinal de muitas festas, casa cheia de amigos, risadas, muita felicidade e alegria.
Deus, sei que o Sr. já nos agraciou com muitas dádivas, mas quero pedir só mais uma coisinha: dai-nos força para administrar aquela bagunça toda (não falo das festas, essa nós saberemos administrar. Falo da bagunça dos objetos).
Muito Obrigada.
Amém.